Mídia

A Mídia influencia a Família do século XXI

Quando tentamos focar a família do século presente, logo precisamos saber o meio em que ela esta inserida.

Pintor Ivan Cabral

À algum tempo atrás, ouvi a letra de uma música e parei para refletir. a letra é esta:

– “Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante. Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”

Esta música foi muito influente em sua época, e muitos mudaram seus paradigmas por causa dela. Na minha opinião a letra desta música é ‘por partes’ correta, quando relacionada ao fato de que não podemos nos estagnar em uma visão só, ou seja, não podemos manter nosso jeito ignorante de ser. Contudo esta “opinião formada sobre tudo” que num passado ‘não tão distante’ era introduzida pelos costumes, tradições, religiões, governo, mudou de rosto, e hoje é o que chamamos “influência da Mídia”, pois na maioria das vezes esta (mídia) expõe ao publico uma ideia convenientemente própria e oportuna, introduzindo um ponto de vista só no cérebro de milhões de brasileiros. Tudo isso de forma omissa a ponto de dificultar que o telespectador consiga pensar por si mesmo. Desta maneiro o povo, deixa de lado “a velha opinião formada sobre tudo” e adota um constante recebimento de uma “nova opinião formada sobre tudo” – observe que esta opinião já veio formada, e não formada pelo próprio telespectador.

553298_10150624926800841_216169690840_9335819_528876199_n

Tome cuidado!

A mídia é um importante meio de Comunicação e possui extrema importância para todos – principalmente na atualidade – mas a maneira como vem sendo utilizada esta “abobando” a sociedade. E este aprendizado de “bobos” é introduzido desde a infância, nas crianças, com desenhos que incitam os conflitos pessoais, as brigas, a agressividade, a inveja, a mentira, etc.

“De maneira sútil, sua família está em perigo”

As famílias estão diretamente influenciadas pelas opiniões e ideias que a mídia expõe. E isto vem através da internet, do rádio, da televisão.

Uma das principais características da mídia é que ela nos oferece coisa nova constantemente, nos interagindo das notícias. Mas, este fato de nos trazer coisas novas – mesmo que seja com um ótimo marketing -, gera um ciclo vicioso, e neste meio alguns se perdem pensando que tudo que é novo é bom, e isso está errado. O ‘novo’ desperta curiosidade, mas não é sinônimo de benefício, seja próprio ou conjunto.

Reflita sobre isso: “Nem tudo o que é novo é correto”.

Além disso, em suma, as emissoras possuem interesses próprios.

Veja uma informação da Alcar (Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia):

”Os meios de comunicação de massa têm a função social de informar o público sobre assuntos de seu interesse. Mesmo que, por vezes, esses assuntos sejam noticiados de maneira sensacionalista. Os motivos de noticiar um fato desta ou daquela forma dizem respeito apenas ao interesse da organização/jornalista ou qual sentimento querem despertar no público a partir da publicação (aqui no sentido de anunciar, propagar). Essa característica (a forma e os motivos de noticiar) abrange todos os meios de comunicação e seus produtos. Não se restringe apenas aos jornais, mas ao cinema, às telenovelas, aos desenhos animados, à programação da televisão, às propagandas.”

Quero esclarecer minha opinião: Não sou contra a mídia, mas sim a maneira como vem sendo utilizada pelos grandes grupos de comunicação. Digo isto, porque sei que ela seria um ótimo instrumento, mas deveria influenciar as pessoas a fazerem o bem, a ter bons princípios, a preservar a integridade moral e ética, entre outras coisas. Deveria ser utilizada como método de ensino em todas as áreas didáticas, para as crianças. Deveria mostrar ao adolescente, que a rebeldia não é um fenômeno natural do ser humano nesta época e sim um conjuntos de padrões desrespeitados por influência de outros padrões. Ao jovem que é necessário se aplicar nos estudos, no respeito a família, no compromisso com o que faz, e não apenas perdendo tempo com bebidas, diversão, festas, jogos, vícios, namoricos, etc. e assim por diante.

Pense nisso!

Grégory Neves

Anúncios